LEV-ROXO (1)

A volta ao armário: envelhecendo como LGBTQIAP+ na sociedade

ddf0d65b-ed80-4fba-bd10-cf3ed29b1558_1080x1080

Maira Reis

04 abr |

Compartilhe:

Recentemente saiu uma pesquisa realizada pelo Hospital Albert Einstein, pela Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (USP) e pela Universidade de São Caetano do Sul, em que relata o acesso ao sistema de saúde, seja por intermédio público ou privado, da população LGBTQIAP+ com mais de 50 anos, no Brasil.

A análise entrevistou 6.693 pessoas, sendo que 1.332 se identificam como uma pessoa LGBTQIAP+. E 53% das pessoas da comunidade que responderam à pesquisa acreditam que os profissionais de saúde não estão preparados para lidar com as suas particularidades.

É fato que a saúde é um dos grandes gargalos da população LGBTQIAP+, seja ela idosa ou não, principalmente pela discriminação que as pessoas recebem em atendimentos.

E sendo LGBTQIAP+ idoso, temos ainda um infeliz fato que muitas vezes acontece: pessoas acabam voltando para o armário para ser aceitos em ambientes, já que a falta de compreensão é gigantesca. Afinal, é isso ou a solidão.

O que também, de certo modo, não deixa de não ter um tipo de solidão se você estiver em um ambiente que recriminam quem você é.

Aliado a isso temos a falta de visibilidade da população idosa LGBTQIAP+, no qual a própria sociedade ignora ainda mais sua existência e suas necessidades específicas.

Isso sem contar o mercado de trabalho que ainda tem dificuldade de ver uma pessoa com 50+ como produtiva e “apta” ao trabalho. É fato que temos hoje muitas iniciativas de empresas voltadas para a inserção desse público no mercado de trabalho. Mas ainda é muito pouco e restrito às grandes capitais.

Fora que o tema de diversidade em empresas, a meu ver, claro, deu uma esfriada, já que após pandemia alavancou a questão da saúde mental. E o que deveria trazer a diversidade e inclusão para esse pilar… Parece que não deu match.

Portanto, é necessário, cada vez mais, discutir a construção de uma base para o envelhecimento digno, inclusivo e respeitoso da comunidade LGBTQIAP+. Reconhecendo não só seu valor como promovendo qualidade de vida, acesso à saúde e atendimento humanizado.

O caminho é muito longo a ser percorrido. Mas, sinceramente, espero que no meio dele a gente quebre vários armários para ninguém nunca mais tenha que estar lá, principalmente idosos LGBTQIAP.

Maira Reis, jornalista e fundadora de camaleao.co – uma startup que trabalha ajudando empresas com a população LGBTQIAP+.

Veja também

Estar preparado para os imprevistos durante a aposentadoria é crucial para garantir segurança fin...

Construindo uma rede de segurança financeira

06 jun |

Envelhecer é um processo natural da vida, repleto de mudanças e desafios que podem afetar diverso...

A importância do Prazer na Vida da Pessoa Idosa

05 maio |

A fisioterapia domiciliar, como o próprio nome sugere, é um serviço de fisioterapia prestado dire...

Fisioterapia domiciliar para idosos

05 maio |