LEV-ROXO (1)

Sistema imunológico e o envelhecimento

Autora Juliana Chaer

Juliana Chaer

12 dez |

10 min

Compartilhe:

Quando falamos de sistema imunológico, também falamos sobre a imunossenescência, que se trata das mudanças que ocorrem no sistema imunológico com o aumento da idade. As consequências incluem um risco maior de infecções, malignidade e distúrbios autoimunes. A desnutrição é relativamente comum entre os idosos e pode contribuir para o declínio da função imunológica.

Leia esse artigo até o final e entenda as mudanças relacionadas à idade e como fortalecer a imunidade.

Sistema imunológico
As funções normais do sistema imunológico incluem defesa contra infecções, detecção e destruição de células malignas ou autorreativas. À medida que envelhecemos, essas capacidades diminuem e há uma maior susceptibilidade ao aparecimento de infecções, câncer e um aumento na incidência de distúrbios autoimunes.

O estudo das mudanças relacionadas à idade é uma área de investigação relativamente nova e limitada. A maioria das pesquisas estão focadas na definição de mudanças normais na função imunológica, e muitos dos dados disponíveis são de estudos em animais. Além disso, não há intervenções clínicas que tenham demonstrado definitivamente como combater o envelhecimento imunológico.

Infecções
Pneumonia e gripe estão entre as 10 principais causas de morte em indivíduos com 65 anos ou mais. As infecções nosocomiais (intra-hospitalares) também são significativamente maiores em adultos mais velhos.

O aumento da suscetibilidade à infecção pode ser o resultado da diminuição da função imunológica, além da diminuição da eficácia das vacinas em idosos. No entanto, existem vários outros fatores que provavelmente contribuem para o aumento de infecções em idosos, incluindo desnutrição, comorbidades (por exemplo, diabetes, doença pulmonar obstrutiva crônica), barreiras mucosas diminuídas, reflexo de tosse diminuído e alterações mecânicas no trato urinário  sistema, entre outros.

A apresentação clínica das infecções em pacientes idosos pode ser diferente daquela em pacientes mais jovens. Adultos mais velhos com infecções graves tendem a ter menos sintomas e a febre está ausente ou embotada. Isso sugere uma capacidade diminuída de montar respostas de citocinas inflamatórias em face da infecção.

Os sinais de infecção em idosos podem ser inespecíficos e incluem quedas, delírio, perda de apetite ou fraqueza generalizada.

Malignidade
A incidência e a mortalidade por câncer aumentam acentuadamente após os 65 anos, estabilizando-se por volta dos 85 a 90 anos. Tanto os braços inatos quanto os adaptativos do sistema imunológico estão envolvidos na defesa contra células tumorais aberrantes.

Pacientes com imunodeficiência primária e adquirida apresentam risco aumentado para certos tumores, o que é uma indicação do papel do sistema imunológico na defesa contra malignidade.

Uma carga mutacional aumentada e exposição à carcinógenos são provavelmente outros contribuintes para o aumento da malignidade em adultos mais velhos.

Distúrbios autoimunes
Os distúrbios autoimunes ocorrem quando o nosso sistema imunológico ataca, erroneamente, destruindo partes saudáveis do corpo.

Há um aumento na produção de autoanticorpos com a idade. Os mecanismos para o aumento da produção não são claros, mas a diminuição da função das células T reguladoras e a diminuição da depuração das células apoptóticas pelos macrófagos são duas explicações potenciais.

Efeito da desnutrição
A nutrição adequada é fundamental para um envelhecimento saudável. A desnutrição não é incomum em idosos e está associada ao aumento da morbidade e mortalidade. Em um estudo sueco, a desnutrição estava presente em 60 a 80 por cento dos pacientes com mais de 60 anos internados no hospital.

Em geral, as necessidades energéticas diminuem com a idade devido ao declínio da massa corporal magra e diminuição da atividade física. Apesar disso, os idosos correm o risco de desnutrição devido a problemas dentários ou de deglutição que podem interferir na alimentação, perda de olfato ou paladar, doenças crônicas que interferem na digestão ou absorção de alimentos e aumentam as necessidades nutricionais, efeitos colaterais de medicamentos, depressão e isolamento social, deficiências funcionais/visuais/cognitivas e barreiras econômicas para obter alimentos de alta qualidade.

Como fortalecer a imunidade?
Como medidas a serem tomadas para o fortalecimento da imunidade temos:

Alimentação balanceada
Reduzir a ingestão de alimentos industrializados, ter uma rotina alimentar adequada em termos de calorias e nutrientes.

Tomadas de sol regulares
Principal fonte de vitamina D, indispensável para o fortalecimento dos ossos.

Ingestão hídrica adequada
Não devemos esperar sentir sede para beber água – além da hidratação fundamental, contribui para remoção do excesso de impurezas do organismo.

Atividade física regular
Além de reduzir a carga de estresse, aumenta a produção de anticorpos.

Sono reparador
Dormir bem, o montante necessário para recuperar as energias – o sono deve ser prioridade.

Evitar álcool e tabagismo e, por fim, vacinação em dia.

Veja também

Estar preparado para os imprevistos durante a aposentadoria é crucial para garantir segurança fin...

Construindo uma rede de segurança financeira

06 jun |

Envelhecer é um processo natural da vida, repleto de mudanças e desafios que podem afetar diverso...

A importância do Prazer na Vida da Pessoa Idosa

05 maio |

A fisioterapia domiciliar, como o próprio nome sugere, é um serviço de fisioterapia prestado dire...

Fisioterapia domiciliar para idosos

05 maio |